Novo ETF investe em setores ‘do mal’: álcool, drogas (lícitas) e apostas

Opinião I 10.01.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Carlo Cauti*

Os investimentos com o selo ESG, ou seja, com atenção para a proteção do meio ambiente, para aspectos sociais e de governança, se tornaram os queridinhos dos investidores do mundo inteiro.

Mas, como o mercado financeiro é um lugar para todos os gostos, agora surgem investimentos para quem acredita em retornos com outra filosofia.

É o caso do ETF (fundo passivo que reproduz um índice) baseado, segundo os idealizadores, no “estigma social”. O ETF lançado pela Listed Funds Trust é focado em empresas de apostas, álcool e drogas (lícitas).

Como diziam os antigos romanos, “nomen omen”, o nome é destino. E o ticker desse ETF, não por acaso, é BAD. Malvado, na tradução em inglês. O ETF é o 450º índice lançado no mercado de capitais dos Estados Unidos.

Em um mundo de investimentos obcecado por ESG, o BAD visa capturar áreas de crescimento que o mercado pode estar evitando.

O ETF rastreará empresas que lucram com a venda de álcool ou cannabis, cassinos, jogos de azar e o desenvolvimento de produtos farmacêuticos.

Segundo Tommy Mancuso, fundador da BAD Investiment Company, que possui o índice EQM BAD que o BAD rastreará, “não achamos que o estigma social deva ser um fator primordial quando se trata de decidir o que é um bom investimento”.

Para Mancuso, o BAD investe em setores que atualmente evitados no mundo dos investimentos, mas que são amplamente aceitos na vida cotidiana.

Para ele, o fundo oferece aos investidores uma imagem mais clara do que estão comprando do que alguns fundos focados em fatores ambientais, sociais e de governança.

“É quase uma decisão de alguém sobre o que é considerado ESG e o que não é”, disse Mancuso em entrevista à Bloomberg. “Não estamos tentando esconder nada aqui.”

O lançamento do BAD ocorre em meio a um frenesi de estreias de fundos ESG.

Somente em dezembro, Goldman Sachs, BNY Mellon, JPMorgan Chase e Cathie Wood’s Ark Investment Management lançaram ETFs com viés sustentável.

Interessante notar como ficaram fora do BAD setores como de armas de fogo ou cigarros. Quem sabe sejam a base para um futuro ETF ainda mais “malvado”.

(*) Carlo Cauti é Editor Multimídia da EXAME Invest. Jornalista e analista geopolítico italiano com mais de 15 anos de experiência, formado na LUISS G. Carli de Roma em Ciências Política, é mestre em Relações Internacionais, em Comércio Internacional e em Jornalismo Internacional e de Guerra, além de ter obtido um MBA na FIA – B3 no Brasil. Já foi correspondente no Brasil pelas agências NOVA e ANSA e editor-chefe do portal SUNO Notícias. O artigo acima foi veiculado na Exame Invest.

Sexo, drogas e jogos de azar: os investimentos curiosos

 

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.