Sergio Moro tem nova estratégia para tirar evangélicos de Bolsonaro: criticar a legalização dos jogos

Destaque I 03.02.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Sergio Moro divulgará carta aos evangélicos na próxima semana em agenda eleitoral; Câmara pode votar legalização neste mês (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

Sergio Moro criticará a legalização de jogos de azar no país, tema que deve ser votado neste mês pela Câmara. O posicionamento consta de uma carta que a campanha do ex-juiz prepara para se dirigir ao público evangélico, com vistas a atrair esse eleitorado. O documento será divulgado na próxima segunda-feira (7/2) a pastores em Fortaleza.

A versão atual da carta menciona que os jogos de azar no Brasil gerariam “mazelas sociais” e reduziriam a proteção de crianças e adolescentes, especialmente os mais pobres. Esse argumento vai ao encontro de posicionamentos da bancada evangélica no Congresso e da Igreja Católica, que na terça-feira (1/2) atacou o projeto em tramitação na Câmara.

Em outro trecho, o documento de Moro aos evangélicos defenderá fortalecer parcerias do governo federal com organizações religiosas. A avaliação da campanha é que essas entidades devem ser valorizadas por sua ampla capilaridade nos serviços de assistência social.

A interlocução de Moro com o eleitorado evangélico é coordenada por Uziel Santana, pastor presbiteriano e fundador da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). Quando foi lançada, em 2012, a associação conservadora homenageou Damares Alves, atual ministra dos Direitos Humanos de Jair Bolsonaro.

Antes de se dirigir formalmente ao setor evangélico na próxima semana, Sergio Moro tem investido em encontros com líderes do grupo. Nos últimos dias, esteve com pastores em seu périplo pelo interior de São Paulo, em cidades como São José do Rio Preto e Bebedouro. (Guilherme Amado – Eduardo Barretto – Metrópoles)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.