Artistas propõem a Lula a criação de loteria da cultura

Compartilhar

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva recebeu na manhã da última quinta, dia 19, um diagnóstico da atual estrutura do Ministério da Cultura feito por um grupo de artistas. Também foram apresentadas propostas para viabilizar o financiamento do setor, como o aperfeiçoamento das leis de incentivo e a criação de novos fundos para captação de recursos para projetos culturais, como a “loteria da cultura”.
Representados pelo ator Antonio Grassi, os artistas evitaram polemizar sobre o convite feito ao cantor e compositor Gilberto Gil para ocupar a pasta, mas já adiantaram algumas das propostas levadas ao governo. De acordo com Grassi, a idéia principal é a criação de uma espécie de loteria vinculada à Caixa Econômica Federal, cuja parte da arrecadação seria destinada ao Fundo Nacional de Cultura. Ele explicou para jornalistas que esse modelo já existe nos Estados Unidos, onde a verba é revertida para universidades, e na Itália, onde o dinheiro é utilizado para a preservação de patrimônios culturais.
– A nossa proposta é fazer uma loteria que trouxesse um percentual para o Fundo de forma que o governo pudesse atuar sem ser tão dependente das leis de incentivo – afirmou Grassi.
Uma estimativa feita pelo grupo juntamente com a equipe de transição de Lula aponta que essa loteria possibilitaria a arrecadação de R$ 800 milhões por ano para o Ministério da Cultura. Grassi disse ainda que, num primeiro momento, a loteria seria compartilhada com o programa Fome Zero. Sendo assim, metade da arrecadação seria destinada ao programa contra a fome e metade iria para os projetos culturais. Sérgio Mamberti, que também participou da reunião, afirmou que o relatório entregue a Lula aponta a fragilidade do atual ministério.
– Ele é muito frágil em termos orçamentários e o ministério não está presente no Brasil todo – comentou Mamberti.
Para o ator, é necessário estudar a criação de novos fundos para garantir mais fontes de recurso para a pasta e disse que a proposta prevê ações no sentido de evitar a concentração cultural no eixo Sul-Sudeste. Mamberti comentou ainda que uma das principais inovações do relatório é a garantia de uma gestão democrática no ministério, com a participação da classe artística e da sociedade.
Grassi aproveitou a oportunidade para negar que tenha feito qualquer comentário sobre uma possível indicação sua para o ministério e deixou um ar de mistério quando à confirmação de Gilberto Gil para a pasta.
– Não discutimos nomes para a pasta, isso é prerrogativa do presidente – disse Mamberti – Estaremos ao lado do presidente e do governo qualquer que seja sua escolha.
Mamberti confirmou ter conversado com Gilberto Gil, mas negou que tivesse discutido sua participação no ministério. Segundo ele, a conversa se limitou ao relatório entregue a Lula nesta quinta-feira. Ele ainda disse que é amigo de Gil há 40 anos e tem “uma grande admiração pelo trabalho do Gil como artista”. As informações são da Reuters.
Investimentos para cultura tiveram queda.
As atores Antônio Grassi e Sérgio Mamberti, que fizeram um diagnóstico sobre a área da cultura na equipe de transição do novo governo, relataram ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva uma queda dos recursos destinados ao setor. Os investimentos caíram de 0,25% em 2001 para 0,14% em 2002 do total de recursos do orçamento da União. Na avaliação de Mamberti, as leis de incentivo cultural não cumprem mais sua função e precisam ser aperfeiçoadas.
Grassi informou que o diagnóstico apresentado a Lula propõe mais incentivos ao audiovisual e à cultura e disse que vai apresentar ao presidente proposta de retirar R$ 800 milhões por ano da Loteria Esportiva para o setor cultural. Isso, segundo ele, compensaria a fragilidade das leis de incentivo.Zero Hora – RS

Comentar com o Facebook

Deixe uma resposta